Instituto Magnus passa a formar cães-guias na região de Niterói

Organização busca famílias voluntárias para socializarem os animais em treinamento. A participação das famílias socializadoras é fundamental na formação dos cães

O Instituto Magnus, o maior centro de formação de cão-guia da América Latina, que tem sede na cidade de Salto de Pirapora, interior de São Paulo, passará a treinar cães para serem os olhos de pessoas com deficiência visual na região de Niterói. A partir de novembro, uma equipe de profissionais especializados, que conta com George Harrison, instrutor de cão-guia do instituto e referência na atividade no Brasil, realizará em Itaipuaçu, distrito de Maricá, o trabalho que já transformou a vida de dezenas de pessoas em todo o país. Desde setembro de 2018, quando foi inaugurado, o Instituto Magnus já doou 42 cães aptos a guiarem. Um número bastante expressivo, considerando que no país existem apenas 133 cães-guias em atividade e mais de 7 milhões de pessoas com alguma deficiência visual, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A organização é uma iniciativa sem fins lucrativos especializada na formação de cães-guias, e oferece gratuitamente assistência a pessoas com deficiência visual. A base de apoio que será instalada em Maricá terá capacidade para treinar e formar 18 cães por ano. Em Salto de Pirapora, este número chega a 64. Atualmente, existem cerca de 600 pessoas inscritas a espera de um animal que poderá melhorar a sua vida.

“Nossa intenção é contribuir com a inclusão social e promover a autonomia das pessoas com deficiência visual por meio da utilização do cão de assistência. O cão treinado para ser guia é um facilitador neste processo de inclusão, pois ele é responsável por oferecer confiança, segurança e promover a autonomia e independência. Além disso, causa interação social e, consequentemente, eleva a autoestima do usuário”, destaca Thiago Pereira, gerente geral do Instituto Magnus.

O processo para a formação de um cão-guia é longo e intenso, e neste caminho, o trabalho voluntário é fundamental. Antes de chegarem ao seu destino final, os cães são acolhidos por famílias socializadoras, que os recebem em suas casas pelo período de um ano e têm o papel de apresentá-los às mais diversas situações, para promover seu desenvolvimento e acostumá-los às atividades do dia a dia. Além, é claro, de darem a eles tempo e amor. O desafio dessas famílias é saber que depois desse período, os animais vão seguir sua missão: voltam para o instituto, onde ficam cerca de cinco meses em treinamento para se tornarem aptos a serem guias. Após formados, poderão ser doados para conduzir pessoas com deficiência visual de todo o Brasil.

Com a instalação da base de apoio, o Instituto Magnus busca voluntários na região de Niterói. As famílias socializadoras têm papel fundamental no processo de formação de um cão-guia, pois sem elas o trabalho para. “É gratificante ver um pequeno, que não sabe fazer muito, se tornar um cão-guia, com essa importante missão, que é um verdadeiro milagre! Ele te faz feliz com o conjunto: com a companhia, as brincadeiras de um cão pet, seu desenvolvimento, e depois, ao seguir seu caminho com essa responsabilidade, gera ainda mais felicidade ver uma foto ou receber um agradecimento do seu usuário por termos contribuído com sua formação. Fico extremamente feliz com o destino de cada um”, incentiva Dalete de Souza, voluntária na região de Salto de Pirapora que já está em sua quarta socialização e não pretende parar.

Para ser uma família socializadora

Os socializadores não têm custo nenhum para receber um cão em sua casa, pois todas as necessidades médicas e de treinamento são de responsabilidade do Instituto Magnus. Os voluntários precisam apenas:

– residir na região de Niterói-RJ, para que o animal possa contar com assistência veterinária de clínicas parceiras;

– acolher o cão por cerca de um ano e se comprometer a levá-lo para conhecer os mais diversos locais;

– ter tempo e disposição para realizar os treinos e rotina do filhote.

Os interessados em serem socializadores ou terem acesso a um cão-guia podem entrar em contato com o Instituto Magnus pelo site institutomagnus.org, na aba “família voluntária”, ou pelo e-mail contato@institutomagnus.org.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

Notícias relacionadas